Artigos

0Comentário

A SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE GRÃOS

Por Dirceu Gassen às 12:08:18

A evolução e as mudanças na agricultura dos últimos 20 anos, com o plantio direto, a biotecnologia, a automatização de equipamentos, a agricultura de precisão e eficiência nos processos para o  aumento na produção, resultaram em avanços tão importantes quanto os que ocorreram em vários séculos, incluindo o trator e a revolução verde.

Além da evolução na tecnologia, podem ser citadas as significativas mudanças políticas.  No passado, as Nações controlavam a produção e os estoques, com o pensamento na subsistência familiar e na garantia de disponibilidade de alimentos.  As mudanças com a perestróica e o glasnost (reestruturação e transparência), a abertura de mercados, a livre competição e a queda de tensões de guerras entre as grandes potências, aceleraram as mudanças na agricultura.

A necessidade de evoluir e adaptar-se às demandas do mercado, com maior eficiência nos processos de produção, resultaram em inovações tecnológicas e, em um novo perfil de agricultor e de negócios na agricultura.

A lógica predominante é a competição com os melhores em qualquer parte do mundo.  A agricultura deixa de ser um negócio de proprietários, protegida pelo Estado, para ser parte de uma cadeia de produção de alimentos regida pelo mercado, pela qualidade dos produtos, com base na adoção de boas práticas agrícolas.  E o  modelo preconizado é o da sustentabilidade com a rastreabilidade certificada da produção.

A sustentabilidade objetiva a qualidade de vida, sem esgotamento de recursos naturais e sem gerar contaminantes não assimiláveis pela natureza, reconhecendo a coexistência da flora e fauna e as necessidades das gerações futuras.

A partir dos anos 90, a  agricultura passou a ser um “livro aberto”, envolvendo a eficiência na produção, menor impacto sobre o ambiente, padrões na qualidade dos produtos, comprometimentos sociais e a certificação como estratégia de controle do consumidor.

A produção com base em boas práticas agrícolas preconizadas e padronizadas pela FAO é definida como o núcleo da agricultura moderna, integrando num só conceito as exigências agronômicas e as de mercado.  Tem como objetivo obter produtos saudáveis, livres de contaminações (químicas, físicas ou biológicas, orientadas por diretrizes documentadas (certificáveis) e recomendações de caráter geral contemplando todas as atividades e insumos relacionados aos sistemas de produção. Ou seja, fazer as coisas bem e dar garantias disso.

A sustentabilidade na produção de grãos tem a sua base na rentabilidade e nos impactos sobre recursos naturais e conseqüências sociais.  O agricultor tem a propriedade da terra, mas depende de conhecimento, atitudes e parcerias para atender as demandas do mercado.  O perfil de agricultor proprietário da terra e com o domínio dos seus recursos naturais mudou para um gestor da produção de alimentos e guardião da natureza. Hoje o agricultor, deve ser um profissional habilitado para a gestão com apoio de especialistas comprometidos com a sustentabilidade na cadeia de produção de alimentos. Daí a evidência de que a rentabilidade em agricultura é resultado da aplicação de conhecimento por hectare.  Envolvendo aspectos técnicos com metas no aumento da produção por unidade de área e na eficiência de uso dos recursos naturais.

A eficiência na produção e no uso da terra pode ser evidenciada na comparação das médias de rendimentos nos períodos de cinco anos entre 1980-1984 e entre 2006-2010 no Sul do Brasil (Figura 1).

Ao comparar as médias nesses dois períodos constata-se aumento de 70% na produção de arroz, 111% na de milho e 85% na de soja em 30 anos.

Os aumentos na produção por unidade de área foram resultado da soma de vários processos, destacando o plantio direto, o manejo da fertilidade, a rotação de culturas, a cobertura vegetal nos períodos entre safras, o melhoramento genético e a proteção mais eficiente das plantas contra pragas, doenças e plantas daninhas.

Figura 1. Produção de arroz, milho e soja no Rio Grande do Sul, no período entre 1980 e 2010 (fonte Conab)


Entre agricultores inovadores e adotadores de tecnologia, associados da Cooplantio em Ajuricaba, Carazinho e Quatro Irmãos, as médias de produção de soja e milho foram 49% e 131% maiores do que as médias estaduais.  Com base na experiência desses agricultores, pode-se afirmar que a eficiência está relacionada com a atitude de pessoas, mais do que com o solo, o clima e a tecnologia disponível.

A eficiência na produção (rendimento por hectare) é um dos componentes da sustentabilidade da agricultura, que necessita ser integrada com o manejo e o uso de recursos naturais como a água e os combustíveis.

A falta de água é destacada como ameaça futura para a humanidade e um dos indicadores importantes de qualidade ambiental na cadeia de produção de alimentos.

Em arroz, nas décadas de 1980 e 1990, o consumo médio de água para irrigação era superior a 14 mil m3 por hectare, no Rio Grande do Sul.  Em algumas situações chegava a 18 e até 20 mil m3/ha inundado.

Com base no uso de 14 mil m3 de água/ha e a produção média de arroz na década de 1980, o consumo de água foi de 3900 litros por kg de grãos produzidos.

Nas últimas cinco safras (2006-2010) o consumo de água foi entre oito e 10 mil m3/ha.  Com base na produção média desse período, o consumo de água foi de 1300 litros por kg de grãos de arroz.  Portanto, a evolução do orizicultor no manejo da lavoura levou á produção de três vezes mais arroz com a mesma quantidade de água.  É importante destacar que os orizicultores mais eficientes no manejo da água e na produção de grãos produzem 1 kg de arroz com menos de 1000 litros de água na irrigação.

O consumo de combustíveis fósseis é outro parâmetro considerado na sustentabilidade da produção e na eficiência de manejo de recursos naturais.

Em arroz, no passado, o intenso preparo de solo com arados, niveladoras, taipas para reter água e gradagens para controle de plantas daninhas, o consumo de combustível chegava a 189 litros de diesel com a produção de 3600 kg de grãos/ha.   Resultando no consumo de 53 ml de diesel por kg de arroz produzido.  Nos últimos anos com a evolução nas práticas de manejo, plantio direto, cultivo mínimo, cultivares mais produtivas, sistematização de áreas e taipas mais baixas, o consumo de diesel foi de 62 litros e a produção média próximo a 6800 kg de grãos por hectare.  O consumo de diesel foi de nove ml por kg de arroz produzido.

A soja, até 1990, com o plantio convencional, incluindo a aração, as gradagens e a reforma de terraços, produzia em torno de 1450 kg de grãos/ha e o consumo de 60 litros de diesel.  O consumo médio de diesel foi de 41 ml por kg de soja produzido.  Nos últimos anos, com a evolução do plantio direto, o melhoramento genético e a eficiência nos processos de manejo, a produção média de soja chegou a 2400 kg/ha com o consumo de 22 litros de diesel/ha.  Com isso, o consumo de nove ml diesel por kg de soja.

Em milho as práticas de semeadura e preparação de solo são semelhantes aos da soja e a redução no consumo de diesel foi de 33 ml para seis ml por kg de grãos produzidos.

Os agricultores mais eficientes na produção de milho (9 t/ha), soja (4 t/ha) e arroz (10 t/ha) produzem 1 kg de grãos com o consumo de 2,4 a 6,2 ml de diesel.

A eficiência na produção de arroz, milho e soja com relação ao consumo de um litro de diesel aumentou de 4,4 a 5,8 vezes no período analisado (Figura 2).     Essa eficiência de produção relacionada com o uso de combustível está associada à redução no consumo de diesel pela adoção do plantio direto e ao manejo mais eficiente de novas cultivares.

Figura 2. Evolução na produção de arroz, milho e soja, com o consumo de um litro de diesel no primeiro e último qüinqüênio entre 1980 e 2010

No mundo de negócios globalizados está havendo uma reestruturação das atividades relacionadas com a agricultura e a produção de alimentos, com a formação de cadeias envolvendo políticas ambientais, econômicas e sociais, fornecedores de insumos, agricultores, conhecimento na assessoria de negócios, transporte, logística, industrialização até a entrega do produto ao consumidor.

As perdas de solos por erosão, a queima de palhas ou a perda de carbono para a atmosfera são práticas inaceitáveis na agricultura.  As boas práticas agrícolas têm a sua base na combinação da rotação de culturas, cobertura permanente do solo e o plantio direto.

A sustentabilidade da agricultura passa pela formação de pessoas com conhecimentos e habilidades e pela estruturação de cadeias de produtos que atendam as demandas do mercado e a viabilidade econômica do agricultor.  A adoção de boas práticas agrícolas não é uma opção, mas uma necessidade para alcançar renda na agricultura, recuperar ou manter recursos naturais e atender as demandas sociais.

Publicado por

Dirceu Gassen

Dirceu Gassen Ver artigos publicados

Formação  - Engenheiro Agronômo formado pela, Universidade de Passo Fundo, RS, 1977 - Mestrado em Agronomia na Área de Fitotecnia, UFRGS, 1980 - Estudou pragas de solo na Nova Zelândia - Curso de Controle Biológico de pragas nos Estados...

dirceu.gassen@agriculturasustentavel.org.br

Comentários

Atualizações

Referências

www.agricultura.gov.br

Ministério da Agricultura - Portal da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

www.embrapa.gov.br

Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Política de Privacidade | Termos de Uso

2017 © agriculturasustentavel.org.br Imagenet Tecnologia