Artigos

0Comentário

Segurança nutricional: a lição completa

Por Coriolano Xavier às 11:26:06

Segurança nutricional: a lição completa

Segundo a OMS – Organização Mundial da Saúde, anualmente mais de 200 milhões de crianças menores de 5 anos não atingem seu pleno potencial cognitivo e social, enfrentando níveis de desnutrição (grave ou crônica) suficiente para retardar o crescimento e interferir no estímulo ao aprendizado.

Para uma sociedade, quando os efeitos da desnutrição infantil se manifestam (bem mais tarde), isso tende a representar baixa produtividade do capital humano, com menor capacidade de realizar trabalho físico e menor agilidade mental. Ou seja: alimentação adequada na infância significa uma economia mais dinâmica e com maior potencial gerador de riqueza, provavelmente com melhores profissionais e melhores salários.

No fundo, todo mundo sabe disso, pois os dados científicos e a mídia corroboram a cada dia  o significado cruel da insuficiência alimentar infantil, para os sonhos de bem estar das nações pobres e emergentes – e também para as  metas de sustentabilidade e harmonização da economia global.

Em segurança alimentar, o Brasil vem fazendo a lição de casa. Reduziu o índice de menores de 5 anos com baixo peso para 1,8% (Estudo Saúde Brasil 2009, do Ministério da Saúde) e já atingiu um dos objetivos do milênio, definidos pela ONU -- Organização das Nações Unidas: erradicar a extrema pobreza e a fome.

Mas parece que falta ainda um engajamento emocional firme com a bandeira da segurança nutricional, tanto no Brasil como em outros quadrantes do mundo, seja por parte dos indivíduos, ou de governo, empresa, mídia e organizações da sociedade civil.

A base de uma boa nutrição começa por infraestrutura adequada e eficiência na produção e distribuição de alimentos. Depois requer elasticidade de renda (o que envolve políticas de inclusão social) e também educação e qualidade de informação – para reduzir o impacto da alimentação errada e do desperdício.

O primeiro desafio nós cumprimos com louvor e sustentabilidade. Por exemplo: nos últimos 20 anos aumentamos de 45% a 70%produtividade do algodão, arroz, milho, soja e trigo – a ainda reduzimos em 66% o consumo de óleo diesel durante a safra. O Brasil também avançou na distribuição de renda, universalizou a oferta de alimentos, mas ainda ficou a dever na logística – o que onera a cadeia e o consumidor. 

A segurança nutricional pode melhor expressar a contribuição do capital humano para o crescimento econômico sustentável.  A chave está no equilíbrio entre infraestrutura, produção do campo, poder de compra e educação. Principalmente esta última, pois ela vai potencializar o homem, este sim o fator com maior poder real de alavancagem da sustentabilidade.

 

Publicado por

Coriolano Xavier

Coriolano Xavier Ver artigos publicados

Coriolano Xavier é Professor e Coordenador adjunto do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM -- Escola Superior de Propaganda e Marketing, Diretor Geral da MCA – Marketing e Comunicação, e Membro do Conselho Consultivo da ABMRA -- Asso...

coriolano.xavier@agriculturasustentavel.org.br

Comentários

Atualizações

Referências

www.agricultura.gov.br

Ministério da Agricultura - Portal da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

www.embrapa.gov.br

Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Política de Privacidade | Termos de Uso

2017 © agriculturasustentavel.org.br Imagenet Tecnologia