CCAS - Conselho Científico Agro Sustentável
Bem-vindo ao CCAS
Banner Internas

Como medir a qualidade de semeadura?


29/11
Como medir a qualidade de semeadura?

A qualidade de semeadura avalia-se de lado, transversal ao sentido do plantio: espaço e plântulas robustas.
Como medir, quais critérios usar?
Dois parâmetros principais definem a qualidade de semeadura.
1. Fechamento de sulco.
O fechamento de sulco determina o contato da semente com o solo para absorver água e o ambiente para iniciar o processo da germinação.
Sulcos abertos aumentam a evaporação, aceleram a desidratação do solo e permitem oscilação diária de temperatura pela radiação solar direta. 
Sulco aberto, ao chover permitirá o escorrimento da água da superfície para dentro do sulco, levando agroquímicos e extratos orgânicos (ácidos), afetando a germinação, a emergência e o estabelecimento de agentes biológicos da rizosfera. 
Sulcos abertos, formando ”valetas” e a formação de torrões são o pior cenário de semeadura.
O melhor cenário é a preparação do leito para a semente e o sulco fechado, com palha na superfície, aproximando ao que se define como ”semeadura invisível”. Nessa condição a semente estará protegida da oscilação de eventos ambientais da superfície e com a proteção necessária para desenvolver o processo fisiológico da germinação, seguido da emergência de plântulas robustas.
2. Distribuição de sementes e plantas.
A distribuição vertical e horizontal das sementes pode ser calculada com base no desvio padrão da média (cálculos estatísticos) e determinando coeficientes de variação (CV) aceitáveis. Esses cálculos envolvem alguma complexidade e estão disponíveis em apps para celulares.
Na foto, três situações de semeadura.
A: Distribuição uniforme, com 10 plantas/m e 10 cm de espaçamento entre plantas
B: Semeadura aceitável, para maior eficiência de interceptação de energia solar. 10 plantas/m com 50% de variação em relação à média. Espaço de 5 a 15 cm. Espaçamentos menores do que 5 cm são considerados agrupadas e acima de 15, falhas.
C: Semeadura real, mais frequente no campo. 16 plantas/m de fileira, com duas falhas (23 e 18 cm) e 12 plantas consideradas agrupadas, que competirão por radiação solar, água e nutrientes. Além de dificultar a proteção por causa da sobreposição de folhas desde o início do desenvolvimento vegetativo.
Desafio: valide, teste e ajuste a população da cultivar de soja que melhor se adapta em sua lavoura, com a sua forma de manejar.
De forma mais simples, objetiva e prática pode-se estabelecer a variação aceitável.
Em SOJA, com populações de 8 a 12 plantas/m de fileira ou 20 a 30 plantas/m2, com espaçamento de 45 a 50 cm entre fileiras a variação aceitável entre plantas é de 50% sobre a média.
Exemplo 1: 10 sementes/m de fileira, com a média de 10 cm entre plantas, aceitam variação entre 5 e 15 cm (50% acima ou abaixo da média).
Exemplo 2: 14 sementes/m, ou 7 cm entre plantas, com variação aceitável entre 3,5 e 10,5 cm, mantendo a população no metro de fileira.
As plantas com espaçamento 50% menor do que a média são consideradas agrupadas, competirão por espaço para interceptar energia solar e extrair água do solo, além de sobrepor folhas dificultando a proteção contra pragas e doenças.
Espaçamentos entre plantas, 50% acima da média, não compensarão a produção por planta. É importante lembrar que espaçamentos maiores, com distribuição uniforme, determinarão plantas com maior número de ramos e menor estatura. Porém, com populações acima de 10 plantas/m de fileira as plantas não compensarão falhas, pois elas terão as plantas agrupadas ou amontoadas ao lado.
Além desses dois parâmetros, também devem ser considerados o leito de semeadura, compactação, estrutura física, volume e tipo de palha na superfície, profundidade de preparação do sulco...
Cada cultivar deveria ter a população detalhada e, principalmente, espaçamento entre fileiras, para máxima eficiência na interceptação de energia solar e armazenamento de glicose na área foliar. A arquitetura da planta, com ramos laterais, tipo de folhas e nastias determinam distribuição espacial de plantas.
A resposta na eficiência pode ser maior ao ajustar o espaçamento entre fileiras do que variar a população na linha de semeadura.
Em geral, as lavouras de soja tem população exagerada de plantas, com falhas e plantas agrupadas no mesmo metro de fileira.
A lógica errada é a de corrigir falhas, aumentando a população, quando deveria melhorar a qualidade na semeadura.
As recomendações de populações de planta, variando entre 200 e 400 mil plantas/ha, mostram desconhecimento sobre área foliar e amadorismo na lógica de produção.
Veja a qualidade de semeadura, observando de lado, no sentido transversal da linha de semeadura... Corrija as falhas e elimine as plantas agrupadas.
Em MILHO: a variação aceitável é de 30%, em relação à média de plantas/m. Com 3,5 a 4 plantas/m, espaçamento de 25 a 28 cm entre plantas a variação aceitável seria ente 18 e 35 cm, mantendo as 3,5 a 4 plantas em todo metro de fileira.
Em ARROZ e TRIGO: a variação aceitável é de 80% (1 a 4 cm entre sementes).

Comentários
Voltar

Referências

www.agricultura.gov.br
Ministério da Agricultura - Portal da
Agricultura, Pecuária e Abastecimento

www.embrapa.gov.br
Embrapa - Empresa Brasileira de
Pesquisa Agropecuária

Receba as Novidades no seu Email: